Corrida na grama

Foto crédito: Andréa Funk @gorunningbrasil

Nos Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984 nos Estados Unidos, o atleta português Antônio Leitão, foi o medalha de prata nos 5.000 metros, atrás do então recordista mundial e campeão olímpico, o marroquino Said Auita (hoje técnico da equipe de fundistas da Austrália). Leitão, realizava seus treinos diários em campo de golfe na cidade do Espinho, onde morava. Os treinos em pista eram feitos apenas nas semanas que antecediam as principais provas internacionais, que o obrigava a se locomover para a cidade do Porto. O mesmo acontecia com o atleta marroquino, indo treinar em Madri, na Espanha.
Ainda hoje, os atletas africanos realizam a maior parte dos seus treinos em trilhas ou campos.

“Sabemos que a corrida é composta de movimentos cíclicos e repetitivos. Tais movimentos provocam milhares de choques dos pés contra o solo, que, em respeito à lei da física, de ação e reação, responde com igual força em sentido contrário aos membros inferiores e coluna. Quanto mais longa a distância, maior a força exercida. Em uma corrida de 15 km, sofremos 5.000 impactos em cada perna, totalizando 10.000. E isso será por demais agravado se realizado em solo duro, como asfalto e cimento, e com tênis inadequados.” Afirma o Dr. Carlos Mário Roccia (ortopedista e médico do esporte que já correu a Maratona de São Paulo para 2h36).

Benefícios e cuidados
Estudos recentes apresentados no American College Sports of Medicine, demonstram que o piso gramado pode reduzir em até 80% o impacto das passadas durante a corrida. Nos Estados Unidos, os atletas de elite fazem seu aquecimento (warm-up) antes dos treinos de pista, em uma outra pista de grama, construída especialmente para este fim.

O piso gramado, por ser macio, favorece o fortalecimento das pernas (em geral). Já o piso de asfalto, devido ao solo duro, predispõe o corredor a micro lesões, podendo até comprometer o seu futuro.
Asfalto, só para competições ou treinos específicos de ritmo, mas com tênis que ofereçam proteção. Saiba que muito treino em asfalto pode lhe deixar lento e com a musculatura atrofiada (encurtada), devido aos movimentos repetitivos.
Cuidado se você estiver acima do seu peso ideal, mesmo que seja “apenas 5 quilos”, opte por correr em grama, para evitar o risco de uma sobrecarga nos joelhos e coluna.
Após uma competição em prova pedestre (asfalto), faça a sua recuperação em grama e sinta o alívio que este tipo de piso lhe proporcionará para a musculatura de suas pernas.
Outro fato interessante, quando se corre no piso gramado, há uma tendência a reduzir o ritmo, o que é ótimo para a melhoria do sistema cardiorespiratório, queima de gordura e ganho de resistência.
Escolha um piso gramado e boas corridas.

Wanderlei Oliveira

Técnico fundador do Clube Corpore, em 1982, e do Pão de Açúcar Club, em 1992. Desde 2000 é comentarista e blogueiro.

1 comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Wanderlei Oliveira

 

Iniciou no atletismo em 1965. Já percorreu o equivalente à três voltas ao redor do planeta Terra. Técnico fundador do Clube Corpore, em 1982, e do Pão de Açúcar Club, em 1992. Desde 2000 é comentarista e blogueiro.

Categorias

O que andam falando…